terça-feira, 13 de novembro de 2012

Sr. Goool!


Toda semana, nós - apaixonados por futebol - somos presenteados com pinturas, golaços, verdadeiros srs. gols! Mas sempre paira a dúvida de qual foi o mais bonito. Não há enquete que resolva! Os critérios são diversos e depende de cada "juiz". Há o golaço por natureza, mas também há o sr. gol em relação a importância, dificuldade, plástica...

Pensando nisso, o blog rbrito resolveu perguntar a vocês, caros torcedores-internautas, qual o Sr. Goool que você guarda na memória? Aquele que faz você arrepiar, se emocionar, agradecer por respirar futebol. Pode ser do time do seu coração, do seu ídolo, de Seleções, clubes do exterior...

O juiz aqui é você! Escreva para o blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984) e nos conte qual Sr. Goool faz você suspirar. Se quiser contar a história do gol, ou como você viu o tento, ou ainda narrar o golaço, fique a vontade. O espaço é de vocês!

Vamos manter esta interatividade. Vamos aproveitar este final de ano para elencarmos as belezas do futebol. O blog rbrito está curioso: qual Sr. Goool você vai escolher?

Opine aqui pelos comentários do blog rbrito ou através do www.twitter.com/rbrito1984. Não deixe de participar! A bola está com você! Corra para o abraço!

31 comentários:

  1. Gol de empate do Ricardinho aos 49 minutos do segundo tempo, dando ao JEC o título do primeiro turno do campeonato catarinense. Jogo: JEC 1 x 1 Avai em 21/02/2010.

    Arena lotada até o último minuto, pois tínhamos esperança do título. A partir deste ano, o coelho ressurgiu, e hoje estamos novamente na série B.

    Vlw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estes gols nos acréscimos mexem até de quem não gosta de futebol, Leandro. Boa escolha! Vamos esperar as outras opiniões! Afinal, todo torcedor tem aquele gol guardado na memória.

      Abs e obrigado!

      Excluir
    2. Cara esse Gol Foi demais: olhe os videos e comprove, os caras estavam até contando vitória...
      http://www.youtube.com/watch?v=v96huHcCoD4
      http://www.youtube.com/watch?v=eQK-bUM5LNg

      A Reação do Goleiro do Avai
      http://www.youtube.com/watch?v=eQK-bUM5LNg

      Excluir
  2. Campeonato Catarinense de 2010, Final do Turno, Joinville x Avai, quase 20 mil pessoas. Ao JEC, um empate lhe garantia o titulo e dava a vaga na final da competição, o time azul da ilha, precisava ganhar a qualquer custo.
    Jogo tenso, truncado e mais manézinhos foram mais rápidos e sairam na frente com um gol da Patrick aos 13 minutos do segundo tempo. 1 x 0 Avaí. O Joinville parecia sem reação e parte da torcida ja dava a derrota como certa. O arbitro assinalou 4 minutos de acrescimos e o Joinville foi para o abafa, e aos 48'57" faz o gol de empate com RICARDINHO... A arena cedeu uns dois metros e um terremoto foi constatado na maior cidade de Santa Catarina naquele momento. 1 x 1.

    http://www.youtube.com/watch?v=eQK-bUM5LNg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jhonatan, td bom? O pessoal do JEC gosta bastante deste gol. É o terceiro voto para o tento do Ricardinho. E valeu título, o que deixa tudo mais emocionante.

      Obrigado e abs!

      Excluir
    2. Mas o melhor de tudo foi ver a torcida do avai, se calar. Estavam cantando a vitória, estávam menosprezando a massa tricolor... e quando saiu esse gol, sentiram tudo treme e se calaram.

      Abraço

      Excluir
  3. O de Ricardinho pelo JEC em 2010, com certeza! ;P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo voto! E ainda lembro que você me passou narração e vídeo deste gol. E o assunto nem era sobre o gol mais bonito, emocionante naquela época.

      Abs e obrigado!

      Excluir
  4. Respostas
    1. Torcida do Joinville é unânime com este gol, Yan. Vou anotar aqui!

      Obrigado

      Excluir
  5. Já vi muitos gols bonitos e que merecem destaque. Mas vou ser bairrista aqui, valorizar o que é nosso porque estar presente é diferente de ver pela tv ou ouvir no rádio. Destaco o gol único da partida do Campeonato Norte Riograndense em que o meu Baraúnas superou o adversário e conseguiu a vaga para disputar a série D deste ano, marcado por(olhe o nome da fera)Adalgiso Pitbull.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Ricardo! Estar no estádio e ver um gol destes deixa marcado pelo resto da vida. Anotei aqui seu gol memorável.

      Obrigado e abs

      Excluir
  6. Gol do leonardo Silva contra o fluminense no segundo jogo... A bola saiu pela Lateral um reporte ajudou a repor a bola rapidamente! Bernard pegou a bola e bateu a lateral... ronaldinho gaucho recebeu e deu um passe magistral para Leonardo Silva que vinha de tras e meter a testa nela... isso tudo nos acrescimos do segundo tempo onde o galo fez 3 x 2... e o independecia expludiu em emoção, agente olha para o lado e via gente pulando, se abraçando e muitos chorando de tanta emoção essa é a massa, esse é o Galo e o resto fica para depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leandro, o passe do Ronaldinho, de fato, foi magistral. Mas a movimentação do Leonardo Silva é perfeita. depois que vi e revi o golaço, agora, só olho para o deslocamento do zagueiro. Mandou muito bem!

      Valeu e abs

      Excluir
  7. Rodolfo,

    Quem esteve no Maracanã no dia 21 de maio de 2008 sabe qual é o gol mais arrepiante da história do futebol mundial.

    47 minutos do segundo tempo. O Fluminense precisa de um gol, a bola sai em escanteio, Thiago Neves cobra, Washington cabeceia...

    E Fluminense 3, São Paulo 1. E o Tricolor se classificava às semifinais da Copa Libertadores.

    Até os muitos são-paulinos que estavam no Maracanã hão de concordar que nunca viram tamanho êxtase em um estádio de futebol.

    Abraço!
    PC
    Jornalheiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembro muito bem deste gol, PC! Não estava no Maracanã, mas recordo da festa tricolor. Gol no final e de classificação, de fato, é de arrepiar.

      Abs e obrigado

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Júlio, td bom? É por isso que me dou bem com as palavras e com gosto de ler. Com sua narrativa, nem preciso de vídeo. Impressionante! É um daqueles gols marcados pelo resto da vida.

      Imagino a emoção sua e de outros tantos apaixonados pelo Santa Cruz. Uma vitória com essa e sobre um rival, não tem coração que aguente.

      Obrigado e abs

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Puxa, não estou conseguindo publicar. Oque está acontecendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Publicou, sim. Duas vezes. Cheguei até comentar. Já até dei destaque no twitter. Li sua narrativa inteira e ainda vi os links. Pode publicar de novo que está saindo, sim!

      Abs

      Excluir
    2. Não estava aparecendo aqui. Não atualizava. A minha net está muito ruim, cara.

      Abraços pra você!

      Excluir
  11. Gol de Célio na final do Campeonato Pernambucano de 1993. O jogo em questão é Santa Cruz x Náutico.

    Esse é um dos jogos mais emblemáticos da história do Santa Cruz, onde simboliza toda a raça e determinação que caracterizam o Santa Cruz ao longo da sua história (O Santa é como Grêmio do RS: Raça e vontade valem muito mais do que a técnica).

    O jogo foi no Arruda e desde os quinze primeiros minutos, o Santa ficou com um jogador a menos. Washington (aquele mesmo do Fluminense, que hoje está com problemas de saúde) foi expulso injustamente. Detalhe: Washington era o artilheiro do Campeonato e o melhor jogador do time.

    O Santa precisava vencer de qualquer maneira para poder levar pra prorrogação, pois havia perdido o jogo da ida. Agora, como vencer com um jogador a menos e esse sendo o seu principal jogador?

    44 minutos do primeiro tempo, o Náutico cobra uma falta e o nosso goleiro sofre um frangaço homérico.

    Contexto do jogo: Santa com um a menos (principal jogador), Náutico vencendo por 1x0 e com apenas 45 minutos para mudar tudo.

    Me lembro como se fosse hoje: O Náutico passou o segundo tempo inteiro martelando, martelando, martelando, várias vezes esteve próximo fazer o segundo.

    Tudo parecia impossível. Até que, aos 40 minutos do segundo tempo, quando muitos torcedores já tinham desistido e ido embora, uma bola sobra na entrada da área e é dominada pelo camisa 10 do Santa (Fernando), que dribla o goleiro e faz o primeiro gol.

    Eu me lembro de olhar pras entradas das arquibancadas e ficar impressionado com os 'montes de gente' voltando ao Estádio.

    E, depois do primeiro gol, a torcida começou a empurrar o time enlouquecidamente. Era incrível. O público desse jogo foi superior a 80 mil pessoas. Chovia bastante no dia.

    Veja que coisa: Um chutão do meio de campo, o zagueiro do Náutico tenta tirar de peixinho e erra, a sobra pro jogador do Santa livre e esse dá uma paulada cruzada. Era o gol da virada, aos 45 do segundo tempo. O que tínhamos acabado de ver ali parecia algo de outro mundo.

    Eu chorava copiosamente nas arquibancadas. Jamais voltei a sentir emoção como aquela em toda a minha vida. Foi, sem dúvida, o momento mais emocionante que eu já pude ter.

    O Santa com um a menos (melhor jogador) desde os quinze minutos do primeiro tempo, perdendo o jogo até os quarenta minutos do segundo tempo, quando -- em 5 minutos -- consegue uma virada divina. Isso tudo numa final de Campeonato!

    Daí pra frente, durante os 30 minutos de prorrogação, o Santa só se fez se defender. Lembro de comemorar cada chutão como se fosse um gol, lembro ainda que nosso goleiro fez uma defesa milagrosa -- se redimindo da falha do gol. O jogo acabou e a torcida - em delírio - invadiu o gramado.

    O Santa foi, nesse jogo, tudo aquilo que foi ao longo da sua história: Raçudo, guerreiro, não desistindo jamais, não se abatendo com os percalços, ressurgindo das cintas, dando até a última gota de suor...

    Há relatos incríveis de pessoas que saíram do estádio e voltaram assim que o Santa fez o primeiro gol. Esse jogou ficou marcado para todo o sempre. Para a torcida do Santa, esse jogo é como a morte de Ayrton Senna para os Brasileiros: Todo sabe exatamente o que estava fazendo naquele dia.

    É por essas e outras que esse sentimento coral é inexplicável. Por isso, o Santa é o clube do povo. O torcedor do Santa Cruz é muito mais fanático do qualquer outro - porque o torcedor coral se identifica muito mais com o Santa do que os outros torcedores com seus respectivos clubes.

    Se quiser ver, aqui estão os vídeos:

    1 - http://www.youtube.com/watch?v=Wxb5vXpnIAo

    2 - http://www.youtube.com/watch?v=92JPf4BJlVk

    Áudio da rádio: http://www.blogdosantinha.com/wp-content/uploads/podcast/pernambucano_93.mp3

    Abraço pra você!

    ResponderExcluir
  12. Meu pai cita como gol inesquecível um gol que foi contra o seu time do coração.

    Santa Cruz x Cruzeiro, válido pela semi-final do Campeonato Brasileiro de 1975.

    O Santa tinha um timaço, o melhor da história do clube.

    O Santa jogava pelo empate para decidir o Campeonato com o Internacional de Porto Alegre.

    O Cruzeiro saiu na frente com um gol escandalosamente ilegal (o cara estava uns 2 metros impedido), o Santa empatou de pênalti com Fumanchu, o Cruzeiro se postou à frente novamente com um gol do excepcional Palhinha, aproveitando uma grande bobeira da zaga.

    Eram jogados 30 minutos do segundo tempo quando o Santa novamente empatou a partida, outra vez de pênalti, com Fumanchu.

    O Santa segurava o empate até os 46 do segundo tempo (e ainda não exista acréscimo!), quando tomou o derradeiro gol da desclassificação. Novamente Palhinha fez gol e acabou com o sonho Pernambucano.

    Naquele dia, num Arruda abarrotado de gente (ainda não existia o anel superior), era possível ver bandeiras de Sport e Náutico no meio da torcida do Santa Cruz. Fato esse jamais voltou a acontecer. Era a "Nação Pernambucana".

    Eu ainda vou construir uma máquina do tempo só pra poder mudar o resultado daquela partida. O Santa certamente seria campeão contra o Inter. Decidiria o campeonato em casa, em jogo único, onde já havia vencido o Inter de Falcão 2 vezes no mesmo campeonato. O Santa, até a semi-final, tinha feito a melhor campanha de todos os classificados.

    O Cruzeiro acabou perdendo a final pro Inter - no Beira Rio. O Inter foi campeão com o lendário gol de Figueroa.

    Esse Campeonato mudou a história do futebol do Rio Grande do Sul, fazendo o estado virar o principal estado futebolístico extra-Sudeste. Se fosse o Santa o campeão, creio que teria acontecido o mesmo com Pernambuco.

    Nenhum time do Rio Grande havia sido campeão Brasileiro antes do Inter. Depois que o Inter conquistou o título, tudo clareou: Grêmio e Inter se tornaram gigantes nacionais.

    Se o Santa tivesse sido campeão, certamente teria o mudado o rumo da história do futebol Pernambucano. Um erro crasso do juiz e uma desatenção da vaza impediram que o Santa fizesse história. Mesmo assim, aquela campanha do Santa ficou na história como a primeira grande campanha de um time nordestino em campeonatos nacionais. Aquele time do Santa virou uma lenda, onde foi 8 vezes campeão Pernambucano na mesma década.

    Se interessar, o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=8odBEGBwN48

    Ps. O detalhe é que o Cruzeiro acabou sendo Campeão da Libertadores de 1976... Com a vaga que era do Santa até os 46 minutos do segundo tempo daquele fatídico jogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro detalhe sobre esse jogo é que Raul Plasmann (goleiro do Cruzeiro na época) certa vez foi perguntado sobre qual foi a maior atuação individual da sua carreira. Ele responde citando esse tenebroso jogo como a melhor exibição individual da sua vitoriosa carreira.

      Logo contra o Santa, Raul...

      Excluir
    2. Júlio, muitos torcedores vão comprar sua máquina: "Eu ainda vou construir uma máquina do tempo só pra poder mudar o resultado daquela partida".

      Ah, me mande o nome do seu pai para eu deixar anotado aqui. Estou arquivando todos os gols e seus autores.

      Obrigado

      Excluir
    3. ESPN mostrando a campanha do Santa Cruz naquele ano: http://www.youtube.com/watch?v=o9WBGODFGys

      Excluir
  13. Olá, Rodolfo,

    Vou ser bairrista e dizer que o gol inesquecível foi do meu Tricolor Predestinado.

    Em sete de dezembro de 2002, pela primeira vez fui ao Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma, para ver um jogo do meu time de coração. Era final da Série B do Campeonato Brasileiro. No primeiro jogo da decisão, contra o Fortaleza, a equipe cearense venceu por 2 a 0.

    Até aos 30 minutos do segundo tempo, o Tigre vencia por 3 a 1, ou seja, 3 a 3 no placar agregado. Eis que faltando dez minutos para o término do tempo regulamentar brilha novamente a estrela de Paulo Baier, que faz o gol do título.

    Talvez não possa ser o mais bonito, mas é o que tenho melhor recordação. E o narrador gritando “Baier, Baier, Baier, Baier”, faz eu me arrepiar até hoje.

    Agora, dez anos depois, talvez possa comemorar um novo título da Série B, e o melhor, caso conquistarmos a taça, será contra o Avaí, em plena Ressacada. Se isso vier a ocorrer, aí o coração fica a milhão rs. Mas antes, nesse sábado (17), há outro grande jogo, contra o Atlético Paranaense (carrasco do CEC em 2012. Foram três jogos, com três vitórias do CAP e oito gols marcados a favor da equipe paranaense), podendo o Criciúma confirmar o acesso. A presença no Majestoso já está garantida!

    Abraços
    Lucas Heckler
    A final: http://www.youtube.com/watch?v=PoLVIgCDt2w

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, quem estreia deste jeito no estádio não tem como deixar o futebol de lado. Imagino só a sua emoção. Tanto é que até hoje você traz este gol com você.

      Obrigado e abs

      Excluir